terça-feira, 8 de agosto de 2017

Filho de diretor da RBS que estuprou adolescente em 2010 atropela três pessoas em Florianópolis



Com informações do Diário Catarinense:

O motorista que conduzia o Audi A3 responsável por causar o primeiro dos dois atropelamentos que ocorreram no final da madrugada de domingo na saída de uma festa, em Jurerê, no Norte da Ilha, foi identificado pela Polícia Civil.

O delegado Otávio Cesar Lima confirmou que Sérgio Orlandini Sirotsky será apresentado pelo advogado Nilton Macedo Machado na manhã desta terça-feira na 7ª Delegacia de Polícia (DP), no Bairro Canasvieiras.

Segundo o boletim de ocorrência (BO) registrado na Polícia Civil, na primeira colisão, o condutor de Audi, com placas de Florianópolis, atropelou três homens: Sérgio Teixeira da Luz, Rafael Machado da Cruz e Edson Mendonça de Oliveira. O veículo foi encontrado abandonado na SC-401, nas proximidades de um motel, no bairro Santo Antônio de Lisboa.

(…) O advogado diz que Sérgio estava muito abalado neste domingo e não deu detalhes do que ocorreu. O delegado descartou, inicialmente, a prisão dele no momento do depoimento.

— A prisão está fora do meu alcance. Ultrapassou o prazo do flagrante. O que posso fazer é representar, dependendo do caso, mas cabe ao juiz decretar a prisão — explicou Lima.

O jovem é filho de Sérgio Sirotsky, diretor do Grupo RBS de comunicação em SC, afiliada da TV Globo.

Retrato do artista quando jovem.
Em 2010, aos 14 anos, Sérgio filho e amigos estupraram uma garota de 13 com requintes de crueldade, num caso que foi abafado.

Elio Gaspari contou a história em sua coluna.

O que aconteceu no apartamento do garoto não se sabe com precisão, pois o inquérito policial e o processo correm em segredo de Justiça. Durante a investigação, quem devia preservar o sigilo permitiu que ele vazasse.

A jovem contou em seu depoimento que foi estuprada por um ou dois rapazes, ambos menores. Além do dono do apartamento, denunciou o filho de um delegado. Medicada num hospital, deu queixa à polícia e submeteu-se a um exame de corpo de delito. Nos últimos dez dias, o caso explodiu na internet.

A família Sirotsky publicou um comunicado informando a ocorrência do “lamentável episódio”, lembrando que “confia integralmente nas autoridades policiais”.

Para que se possa confiar mais nessas autoridades, o secretário de Segurança de Santa Catarina deve exonerar o delegado Nivaldo Rodrigues, diretor da Polícia Civil de Florianópolis. Numa entrevista gravada, ele disse o seguinte:

“Eu não posso dizer que houve estupro. Houve conjunção carnal. Houve o ato. Agora, se foi consentido ou não, se foi na marra, ou não, eu não posso fazer esse comentário, porque eu não estava presente”.


Mosquito, blogueiro que denunciou a armação para blindar o rapaz, foi encontrado morto um ano depois.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Web Analytics