domingo, 30 de julho de 2017

A Venezuela não será um novo Chile


Leandro Fortes

À MODA CHILENA

Na Venezuela, o novo modelo de golpe midiático-judicial não pôde ser aplicado porque, antes de morrer, Hugo Chávez tomou duas providências cruciais: aparelhou o poder judiciário e politizou os pobres.

Goste-se ou não dessas medidas, elas estão na base da resistência do governo Maduro às investidas das mesmas forças reacionárias que derrubaram os presidentes de Honduras, Paraguai e Brasil - e se mantêm em armas contra todo governo que ouse ser popular, na América Latina.

Na Venezuela, diante da resistência do governo, a direita local apelou para a velha fórmula de asfixiar a economia, com redução artificial de oferta de alimentos e bens de consumo, para gerar o caos. Exatamente como fizeram com Salvador Allende, no Chile, no início dos anos 1970.

O resultado foi a ditadura genocida do general Pinochet e a entrega das riquezas chilenas a companhias dos Estados Unidos e da Europa.

Então, antes de condenar a reação de Maduro às manifestações financiadas por empresários fascistas, pense que, lá, como aqui, não tem ninguém preocupado de verdade com corrupção e liberdades democráticas.

O que os fascistas venezuelanos querem é colocar a mão de volta no oceano de petróleo que existe em baixo do país.

E voltar a passar os feriados em Miami.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Web Analytics