domingo, 2 de julho de 2017

Brasileirinhas, por Janio de Freitas

Clique na imagem para AMPLIAR 

Tirar da educação para produzir passaporte é a cara do governo Temer
Janio de Freitas

A retirada de R$ 102,3 milhões da educação para a produção de passaportes tem a cara do governo Michel Temer e dos seus sustentadores, políticos ou não. O presidente da Comissão de Orçamento do Congresso achou mais prudente pedir ao governo a alteração do projeto, deixando de mutilar as já sacrificadas verbas da alfabetização de adultos e da graduação, entre outras, e dirigindo sua mão leve para as dotações destinadas aos convênios internacionais.

Nem por isso ficou menos brutal o paroxismo do descaso histórico pela educação, cujo valor -em todos os sentidos- foi considerado inferior a uns quantos lotes de passaportes. Mesmo o ministro da Educação, deputado Mendonça Filho, considerou dispensável uma palavra em defesa da educação. Vê-se onde, mais do que em qualquer outra parte, a educação falta.

*

A tão elogiada decisão do Supremo de negar revisão de "prêmios" dados a delatores, exceto se não entregue o prometido, leva à mais brasileira das perguntas: quem ganhou com isso? Os delatores, em especial Joesley Batista, e os procuradores que passam a ditar sentenças irretocáveis, poder que nem os juízes têm.

Quem perdeu foi a respeitabilidade judicial. Não há argumento capaz de conceder decência, sequer em dose mínima, à impunidade dada a um corruptor de políticos e de decisões governamentais e parlamentares, como Joesley Batista. A indignação com esse "prêmio" faz a impensável comunhão, em alguma coisa, de todos os lados do desentendimento nacional.

*

Aécio Neves e sua defesa referem-se ao "empréstimo de R$ 2 milhões oferecido por Joesley Batista" ao senador. "Oferecido" é tentativa de ludibriar.

O dinheiro para Aécio foi pedido por sua irmã Andrea, que não por outro motivo carrega uma tornozeleira eletrônica, depois de um mês na cadeia. Lançar Andrea na frente e só aparecer, quando apareceu, na situação decisiva, é uma conduta de Aécio encontrada várias vezes no material que recheia os seus nove inquéritos.

*

A Rede, de Marina Silva, está muito presente na ebulição política por meio de dois congressistas competentes, sérios e ativos: o deputado Alexandre Molon e o senador Randolfe Rodrigues.

Mas a chefe do partido mantém-se invisível e inaudível. Para quem é candidata potencial à Presidência, o sumiço é atitude, no mínimo, polêmica. Se resguarda, também pode sugerir uma perplexidade paralisadora. Até onde as pesquisas resistem às duas hipóteses, não se sabe. Marina também não.

*

Em sua diatribe da semana, Gilmar Mendes disse algumas verdades importantes, em meio à torrente de quase duas horas. Mas a falta de efeito do melhor e do pior foi a mesma, no Supremo e fora. Nem sempre era assim.

As liberdades que Gilmar Mendes se dá não lhe trazem consequências funcionais. Por isso, tanto se permite atividade política, quanto a torna cada vez mais ostensiva. Inclusive nos dois tribunais em que seria apenas juiz. A ponto de parecer que, hoje, a política das meias sombras é seu principal interesse. As consequências ficam para o Supremo Tribunal Federal e para o Tribunal Superior Eleitoral (este, deixado pelo julgamento da chapa Dilma/Temer no ponto mais baixo da escala hipotética do prestígio).

Gilmar Mendes, sozinho, é uma justificativa para o sugerido fim da vitaliciedade no Supremo.

*

"O Globo": "Brasil registra segundo maior índice de confiança na mídia -país só fica atrás da Finlândia, segundo estudo da Universidade de Oxford".

Pode ser uma prova de que os brasileiros estão mal informados.

Um comentário :

  1. Jogada de mestre de Temer: a classe média, que mais seria prejudicada com a suspensão de emissão de passaportes, está pouco se lixando para a educação, até porque os filhos estão em escolas particulares.
    E os mais pobres, mais prejudicados, sem ter gritaria na mídia, nem vai esquentar a cabeça. Teve uma pesquisa recente que mostrou que nós, os pobres, achamos que a educação pública é meio que um favor das autoridades, contra a qual nem temos muito o direito de reclamar.
    Prova do que estou dizendo? E precisa? É só lembrar de junho de 2013. Se não me engano, diziam que estavam nas ruas pela saúde e educação, não era? E aí, onde estão agora, quando há motivo justificado para fazer barulho?
    Temer foi genial nessa!

    ResponderExcluir

Web Analytics