sábado, 3 de junho de 2017

Dois farsantes

Claudio Guedes

Um


O MPF pediu ao juiz Sergio Moro, da Justiça Federal do Paraná, que Lula seja condenado no caso conhecido como o do "Tríplex". Ele é acusado de ter recebido R$ 3,7 milhões em propina por conta de três contratos entre a OAS e a Petrobras.

Segundo o documento protocolado nesta sexta, o MPF pede a condenação do ex-presidente pela prática de corrupção passiva três vezes e pelo de lavagem de dinheiro outras 34 vezes. A Procuradoria pede condenação e posterior prisão, em regime fechado. Além disso, solicita a Sergio Moro que Lula pague R$ 87.624.971,26, que seria "correspondente ao valor total da porcentagem da propina paga pela OAS".

Nas alegações finais, assinadas pelo procurador da República encarregado da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, Lula é apontado como o responsável "pela promoção e pela organização do núcleo criminoso que se instaurou no seio das empresas do Grupo OAS, assim como pelo comando das atividades criminosas por meio delas perpetrados".

O autor da peça, o notório Dallagnol, um misto de procurador da República, publicista e pastor evangélico, diz que a "solução mais razoável é reconhecer a dificuldade probatória", e já que está difícil provar a culpa do réu, voltou a insistir da esdrúxula tese do "juízo de convicção", para pedir a condenação do ex-presidente.

Tudo uma farsa. Uma farsa grotesca. Pegaram um caso de província, de uma proposta de compra de um apartamento pela mulher do Lula, misturaram com corrupção na Petrobras, aproveitando-se do fato de que a OAS, como todas as empreiteiras nacionais que possuíam negócios com a estatal, era também uma das repassadoras de recursos para partidos políticos (todos os grandes, inclusive o PT).

O tal procurador, apenas um farsante empolado, pede a condenação de Lula, prisão e uma multa a ser paga pelo mesmo no valor de R$ 87 milhões! Quer dessa forma induzir o juiz - que muitas vezes se comporta de forma partidária - a uma condenação ao arrepio do "estado de direito" e, claro, conquistar seus minutos de fama na mídia esgoto que se especializou em linchar o líder petista.

Dois

O atual chanceler da República, o senador paulista do PSDB, Aloysio Nunes Ferreira, teve uma semana de holofotes, agindo na OEA e em visita ao secretário de Estado dos EUA. Aloysio foi candidato a vice-presidente presidente da República na chapa liderada por Aécio Neves, também tucano e senador da República. Foram derrotados pelo voto popular em 2014. O povo disse não às pretensões da dupla.

Aloysio hoje é ministro de um governo tampão, produto de uma farsa constitucional que afastou da presidência aquela que foi escolhida pelo povo. O fato de ter sido derrotado pelas urnas não foi constrangimento suficiente para afastá-lo do atual governo.

Bom, seria apenas mais um caso de oportunismo. Mas, vai além, pois Aloysio era companheiro de chapa, de partido e de senado, do ex-presidente do PSDB, Aécio Neves, hoje afastado do Senado Federal por ordem judicial e acusado de gravíssimos crimes de corrupção. Este fato, que em qualquer país mais sério do mundo, deveria provocar o imediato afastamento também de Aloysio Nunes do atual governo, em nada causa constrangimento ao político tucano.

Bom, não é apenas mais um caso de oportunismo. Aloysio é sobretudo mais um farsante no cenário atual da política tupiniquim.

O que os farsantes têm em comum? São ambos procuradores do Estado (um ativo outro afastado). Por aí já podemos ter uma ideia da profunda crise moral que atravessamos ...

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Web Analytics