quinta-feira, 25 de maio de 2017

Temer tenta vender o lema "rouba, mas reforma"


ROUBA, MAS REFORMA 
Laura Carvalho 

É possível que nem mesmo Adhemar de Barros ou Paulo Maluf aprovassem o que o presidente Michel Temer apelidou em sua entrevista a esta Folha de seu novo "modelito" nos discursos.

Quando indagado se não seria crime de prevaricação ouvir relatos de outros crimes e não denunciá-los, Temer respondeu aos repórteres: "Você sabe que não? Eu ouço muita gente, e muita gente me diz as maiores bobagens que eu não levo em conta".

Em outro trecho que revela seu nível turbinado de desfaçatez, o presidente disse que o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), o assessor próximo de Temer que entregou na terça-feira (23) um total de R$ 465 mil à Polícia Federal —R$ 35 mil a menos do que estava na mala que o Brasil todo já conhecia por foto—, é "um homem de muito boa índole".

O problema é que, para conseguir emplacar a velha tática do "rouba, mas faz", não basta que a população fique sabendo da parte do "rouba". E querer convencer quem viu o número de desempregados aumentar de 11 milhões para 14 milhões em um ano de que foi responsável por significativa melhora na economia não soa muito promissor.

Quanto à inflação, basta olhar para a série do IPCA acumulado em 12 meses para notar que a trajetória de queda se iniciou em janeiro de 2016, ou seja, antes do impeachment.

Três fatores principais explicam essa reversão: o fim do choque nos preços administrados, que, de acordo com o Banco Central, contribuíram diretamente com 38,4% da inflação em 2015; a queda do dólar, também iniciada em janeiro, e por fim a própria recessão econômica, que freou o aumento de salários.

Quanto ao PIB, o que se viu foi uma recessão tão profunda em 2016 quanto a que vivemos em 2015.
Quando o buraco é tão embaixo, espera-se que venha alguma recuperação. Mas não foi esse o caso: as expectativas para 2017 —antes da turbulência gerada pelos últimos escândalos— já eram de, no máximo, estagnação.

E isso apesar da ajuda de fora: os preços dos produtos que mais exportamos passaram a subir no mercado internacional neste ano.

Em entrevista ao jornal "Valor Econômico" nesta quarta (25), o próprio presidente do IBGE, cuja reponderação e revisão para cima dos números de comércio e serviços em janeiro contribuiu para uma ilusão estatística de retomada da economia no primeiro trimestre (refletida no índice de atividade econômica do Banco Central), afirmou que o ambiente econômico "não melhorou".

Nesse contexto, nem o tal "dream team" da Fazenda foi capaz de cumprir a meta fiscal de 2017 aprovada pelo Congresso. A frustração na previsão de receitas continuou, levando à necessidade de mais um contingenciamento de gasto e investimento —o que ainda não deve ser suficiente.

O "rouba, mas não faz" do último ano deveria ter nos ensinado algo sobre a outra máxima que o governo tenta emplacar —a do "rouba, mas reforma".

Concordando ou não com os moldes propostos para as reformas da Previdência e trabalhista, o que já deveria ter ficado claro a esta altura é que tampar o nariz para os malfeitos e apoiar soluções antidemocráticas em nome de um programa econômico não é caminho para a estabilidade -nem mesmo nos mercados, como mostrou o caos financeiro da última semana.

Os números do Datafolha de abril já sugeriam que 85% da população era a favor de emendar a Constituição para garantir eleições diretas em caso de saída de Temer.

Como disse em editorial de ontem o jornal "The Guardian", os políticos responsáveis por essa bagunça —referindo-se ao quadro brasileiro hoje— deveriam deixar que 143 milhões de eleitores digam como sair desse atoleiro. Já.

2 comentários :

Web Analytics