segunda-feira, 29 de maio de 2017

Cursos de medicina viraram antros de playboys e patricinhas transbordando de ódio de classe

Médicos alemães durante julgamento em Nuremberg, 1946

Leandro Fortes  
 ·
REAÇAS E FURIOSOS  

Já passou da hora de inserir a variável "noção" no filtro de admissão dos cursos de medicina, no Brasil, sobretudo nos das universidades públicas.

Não adianta ser ótimo aluno, ser a primeira da turma, passar em um vestibular dificílimo, mas ser uma toupeira política com a visão social de um bisturi.

Os cursos de medicina viraram antros de playboys e patricinhas transbordando de ódio de classe e visão mercantilista do ofício. Sem falar nos neonazistas e apologistas do estupro.

Não por outra razão, a categoria ficou tão incomodada com os médicos cubanos e com o viés social do programa Mais Médicos, dos governos do PT.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Web Analytics