domingo, 9 de abril de 2017

Odebrecht aponta mais uma conta do bilionário José Serra na Suíça

Odebrecht aponta mais uma de Serra: R$ 5,4 mi na Suíça

247 - O ex-presidente do grupo Odebrecht Pedro Novis disse em seu acordo de delação premiada que repassou € 2 milhões de caixa dois a José Serra (PSDB) a partir de 2006, quando o tucano disputou e venceu a eleição para o governo de São Paulo. Segundo Novis, não foi exigida contrapartida do político tucano.

As informações são de reportagem de Bela Megale e Mario Cesar Carvalho na Folha de S.Paulo.

"Os valores, de acordo com Novis, foram depositados entre 2006 e 2007 em contas na Suíça indicadas pelo empresário José Amaro Pinto Ramos, próximo ao PSDB.

O valor corresponde a R$ 5,4 milhões, quando se corrige o euro pelos valores médios daqueles anos.

Pinto Ramos afirmou à Folha, por meio de seu advogado, que recebeu € 1,2 milhão da Odebrecht na Suíça em 2006 e 2007, mas que o montante corresponde a serviços de consultoria à empresa. Ele diz ter feito estudos de viabilidade econômica para projetos da Odebrecht na Argélia, na Turquia e no Uruguai.

A Folha revelou em agosto do ano passado que delatores da Odebrecht haviam dito a procuradores da Lava Jato que Serra recebera R$ 23 milhões em contas secretas na Suíça em 2010, quando disputou a Presidência pelo PSDB e acabou derrotado por Dilma Rousseff, do PT.

No caso dos R$ 23 milhões, Novis e outro funcionário da Odebrecht afirmaram à Lava Jato que os repasses foram feitos em contas de dois amigos de Serra: os empresários Ronaldo Cezar Coelho, fundador do PSDB e hoje no PSD, e Márcio Fortes, que já foi tesoureiro nacional do PSDB.

Em 2006, a campanha de Serra não registrou nenhuma doação da Odebrecht. Serra declarou à Justiça eleitoral que gastou R$ 25,9 milhões na eleição daquele ano.

Já na campanha presidencial de 2010, a Odebrecht doou, segundo delatores, R$ 23 milhões pelo caixa dois. A Justiça eleitoral registra R$ 2,4 milhões doados pela empreiteira ao candidato."

Odebrecht diz ter repassado € 2 milhões de caixa dois a José Serra


O ex-presidente do grupo Odebrecht Pedro Novis disse em seu acordo de delação premiada que repassou € 2 milhões de caixa dois a José Serra (PSDB) a partir de 2006, quando o tucano disputou e venceu a eleição para o governo de São Paulo. Segundo Novis, não foi exigida contrapartida do político tucano.

Os valores, de acordo com Novis, foram depositados entre 2006 e 2007 em contas na Suíça indicadas pelo empresário José Amaro Pinto Ramos, próximo ao PSDB.

O valor corresponde a R$ 5,4 milhões, quando se corrige o euro pelos valores médios daqueles anos.

Pinto Ramos afirmou à Folha, por meio de seu advogado, que recebeu € 1,2 milhão da Odebrecht na Suíça em 2006 e 2007, mas que o montante corresponde a serviços de consultoria à empresa. Ele diz ter feito estudos de viabilidade econômica para projetos da Odebrecht na Argélia, na Turquia e no Uruguai.

A Folha revelou em agosto do ano passado que delatores da Odebrecht haviam dito a procuradores da Lava Jato que Serra recebera R$ 23 milhões em contas secretas na Suíça em 2010, quando disputou a Presidência pelo PSDB e acabou derrotado por Dilma Rousseff, do PT.

No caso dos R$ 23 milhões, Novis e outro funcionário da Odebrecht afirmaram à Lava Jato que os repasses foram feitos em contas de dois amigos de Serra: os empresários Ronaldo Cezar Coelho, fundador do PSDB e hoje no PSD, e Márcio Fortes, que já foi tesoureiro nacional do PSDB.

Em 2006, a campanha de Serra não registrou nenhuma doação da Odebrecht. Serra declarou à Justiça eleitoral que gastou R$ 25,9 milhões na eleição daquele ano.

Já na campanha presidencial de 2010, a Odebrecht doou, segundo delatores, R$ 23 milhões pelo caixa dois. A Justiça eleitoral registra R$ 2,4 milhões doados pela empreiteira ao candidato.

Novis presidiu o grupo Odebrecht entre 2002 e 2009, quando foi substituído no cargo por Marcelo Odebrecht. Amigo de Serra há mais de 20 anos, Novis se referia ao tucano em planilhas internas como "vizinho" (como de fato foram) ou "careca", segundo disse em sua delação.

Ele tinha autonomia para repassar recursos ao tucano enquanto Emílio Odebrecht, presidente do conselho de administração, apostava suas fichas em Lula e no PT.

Segundo Novis, os € 2 milhões foram solicitados por intermediários de Serra para a campanha eleitoral de 2006. A empresa, ainda segundo o delator, não pediu nenhum tipo de contrapartida ao tucano.

O empresário apontado pelo ex-presidente da Odebrecht, Pinto Ramos já foi citado por outros delatores do grupo como um dos intermediários de propina para o projeto do submarino nuclear, orçado em € 6,7 bilhões (cerca de R$ 23 bilhões).

Ele diz que recebeu honorários da Odebrecht por ter apresentado o grupo brasileiro à estatal francesa DCNS, mas nega ter pago suborno.

Pinto Ramos já manteve escritório nos EUA e na França e tem relação antiga com tucanos. Ele chegou a ser indiciado na Suíça em 2011 por lavagem de dinheiro, sob suspeita de ter repassado suborno em negócios da Alstom com o governo paulista. As autoridades suíças, no entanto, arquivaram o caso por falta de provas, segundo o advogado do empresário, Thiago Nicolai.

No Brasil, as investigações sobre a Alstom chegaram a Pinto Ramos, mas não há provas de que ela tenha cometido irregularidades.

Um comentário :

  1. SERRA, PRESAL, TELES (VERÔNICA SERRA, DANTAS E JEREISSATI), VALE RIO DOCE, O ROUBO-ANEL, DESASTRE LINHA 4 DO METRÔ (PREJUIZOS DE 4 BILHÕES E MUITAS MORTES) AS CONTAS DE SERRA NA SUÍÇA E OBRAS DO ROUBO-ANEL EM SP, O DESASTRE DA LINHA 4 DO METRO SP: PREJUIZOS DE 4 BILHÕES DE REAIS AOS COFRES PÚBLICOS.
    O DELATOR DAS CONTA “TUCANO -CH J&T” CARLOS ARMANDO PASCOAL DETONA SERRA. REMUNERADO PELA CHEVRON NA PEC-131, E PRIVATARIAS (VALE E A SAMARCO), E NAS OBRAS NA CORRUPÇÃO COM PAULO PRETO.
    O OPERADOR DE JOSÉ SERRA “CAP”, AGORA DELATOR, FOI BLINDADO NA “OPERAÇÃO LAVA A JATO”, ASSIM COMO AS DELAÇÕES DE FERNANDO BAIANO E LÚCIO FUNARO CONTRA O QUADRILHÃO DE MICHEL TEMER E DOS DEMO-TUCANOS. CARLOS FOI BRAÇO DIREITO DE JOSÉ SERRA NA LAVAGEM DE DINHEIRO SUJO DO PROPINODUTO DAS “PRIVATARIAS TUCANAS” COMO REVELAM OS LIVROS SOBRE AS “PRIVATARIAS TUCANAS” e)

    A ODEBRECHT E O ASSASSINATO DO JOVEM GOVERNADOR DO ACRE NO HOTEL DELLA VOLPE EM 17 DE MAIO DE 1992: “ASSASSINATO DO GOVERNADOR FOI A MANDO DO QUADRILHÃO DO PMDB, PSDB E PFL (ATUAL DEM)” O SR CELSO RUSSOMANO ERA GERENTE DO HOTEL DELLA VOLPE NA ÉPOCA DO CRIME POLÍTICO DA MORTE DO GOVERNADOR DO ACRE, ELE QUE ABRIU CAMINHO PARA OS ASSASSINOS MATADORES DE ALUGUEL DA ODEBRECHT E DO QUADRILHÃO ACESAREM O APARTAMENTO E RESERVOU TODO O ANDAR PARA A ODEBRECHT, MATAR O JOVEM GOVERNADOR NUM SIMULADO LATROCÍNIO, COUBE AO CHEFE DO QUADRILHÃO SR MICHEL TEMER, LÍDER DO PMDB/SP ABAFAR O CRIME EM SÃO PAULO.

    https://www.youtube.com/watch?v=PFrEo6wDlVg

    ESSE CANALHA MEGA CORRUPTO SR FHC OBTEVE FORTUNAS EM IMÓVEIS MILIONÁRIOS EM PARIS (37 MILHÕES EM CHAMPS ELISSÉS), OUTRO EM BARCELONA, FAZENDA MILIONÁRIA OBTIDA EM TROCA DE PROPINAS COM A FAMÍLIA DE SERGIO MOTA EM BURITIS (MG), SALDOS DE 368 MILHÕES DE DÓLARES EM DUAS CONTAS SECRETAS BILIONÁRIAS: CONTA TUCANO E CONTA CH J&T NO PANAMÁ E NAS ILHAS CAYMAN (DOSSIÊ CAYMAN ABAFADO EM 1998) E ENRIQUECEU FAMILIARES O CORRUPTO GENRO DAVID ZYLBERSZTAJN E O SINISTRO FILHO PHC TEM CONTAS SECRETAS BILIONÁRIAS NA SUÍÇA E NO CARIBE E NEGÓCIOS BILIONÁRIOS NO "PANAMÁ PAPERS" ("MOSSAK FONSECA"), FHC MONTOU UMA REDE DE CORRUPÇÃO E TRANSFORMOU O PLANALTO NUM ESCRITÓRIO DE "NEGÓCIOS DA CHINA, ELE ANUNCIOU AO MUNDO CENTENAS DE PRIVATARIAS A BAIXOS PREÇOS" NOMEOU FEROZES ALIADOS EM VÁRIAS EMPRESAS NACIONAIS PARA AJUDAR NOS DESMONTES E NAS PRIVATARIAS, ELE ATÉ MUDOU O ESTATUTO DAS EMPRESAS NACIONAIS PARA NOMEAR ESTRANGEIROS NA PRESIDÊNCIA E DIRETORIAS, COMO FOI O CASO DA NOMEAÇÃO DO DESASTRADO O BANQUEIRO FRANCÊS PASME NA PRESIDÊNCIA DA PETROBRAS, O MONSIEUR HENRY REISCHTULL (DONO DO BANCO SBA E EX- DIRETOR DO PARIBAS) E O ESPANHOL NESTOR CERVERÓ PARA AJUADR A ENTREGAR AS SONDAS DA PETROBRAS, AS SUBSIDIÁRIAS E AS PETROQUIMICAS DA PETROBRAS (COPENE, PQU, BRASKEM, PETROFERTIL, FAFEN, ETC) DOADAS POR PREÇOS ÍNFIMOS PARA O AMIGO PESSOAL DE FHC SR EMILIO ODEBRECHT. ELE LEVOU NA MÃO GRANDE AS SUPERLUCRATIVAS PETROQUIMICAS DA PETROBRAS DOADAS POR FHC AO GRUPO ODEBRECHT E AO GRUPO QUATOR EM TROCA DE PROPINAS PAGAS NO BANCO DO ESTADO DO PARANÁ, O PROPINODUTO DAS PRIVATARIAS TUCANAS.

    https://www.youtube.com/watch?v=AnKK51ITUQI

    FERNANDO BAIANO DELATOU EM VÍDEO O MEGA CORRUPTO FILHO DE FHC O VAGABUNDO PHC NA CORRUPÇÃO COM MULTINACIONAIS EM CONTRATOS ILÍCITOS E OBRAS SUPERFATURADAS PARA CONSTRUÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS NOS APAGÕES PLANEJADOS DE FHC NOS ESCÂNDALOS DO GASBOL E DA TERMO-RIO. NÃO FOI GRATUITA A NOMEAÇÃO DE PEDRO PARENTE COMO MINISTRO DOS APAGÕES, DO BANQUEIRO FRANCÊS HENRY PHILLIPE REISCHTULL AMIGO PESSOAL DE FHC PARA A PRESIDÊNCIA DA PETROBRAS, BARUSCO NOS PROGRAMAS DE TERCEIRIZAÇÃO. PARA NOMEAR ESTRANGEIROS FHC FEZ MUDANÇAS NO ESTATUTO E “RASGOU ACORDOS COLETIVOS” NOMEOU O ESPANHOL NESTOR CERVERÓ, PAULO COSTA FEROZ ALIADO, E NOMEAR OS TUCANOS SR DELCIDIO DO AMARAL (PSDB-MT) E SERGIO MACHADO (PSDB-CE) EMPOSSADOS POR FHC EM 1996 P/ OBTER OS APAGÕES PLANEJADOS. ISSO EXPLICA AS FORTUNAS BILIONÁRIAS DO FILHO DE FHC, PHC (CAYMAN E NO “PANAMÁ PAPERS”) E IMÓVEL DE 37 MILHÕES DE REAIS NA CHAMPS ELISSÉS EM PARIS

    ResponderExcluir

Web Analytics