quarta-feira, 12 de abril de 2017

Está ruim e não vai melhorar

Luis Felipe Miguel

Os dois desfechos possíveis para a crise são: (1) a limpeza seletiva da elite política, com a implosão do PT e o sacrifício de alguns líderes da direita, a fim de que os sobreviventes possam repactuar o jogo de sempre; ou (2) a emergência de um salvador, com programa autoritário, que assume a tarefa de decidir quem fica e quem sai e de definir a repactuação do jogo de sempre.

Acredito que o desfecho 1 é o mais provável, mas o 2 (ou algo do 2) não está descartado.

O que não aparece no horizonte é a possibilidade de uma transformação profunda, que ataque os problemas centrais, vinculados à promiscuidade dos poderes da República com os interesses das minorias dominantes (que passa pela corrupção, mas nem de longe se limita a ela). Isso significaria mexer a fundo na relação entre poder econômico e poder político e pensar em reconstruir por inteiro o Executivo, o Legislativo e o Judiciário. Convém não esquecer do Judiciário.

O sistema político brasileiro está tão apodrecido que não parece ter como se regenerar de dentro. O que restava da sua legitimidade foi minado com o golpe de maio e agosto de 2016. A mudança possível teria que vir de fora - não da pretensa pressão da mídia, que é parte acessória do sistema; não de promotores ou juízes moralistas, voluntária ou involuntariamente cegos aos elementos estruturais do problema; não do mero discurso punitivo. Teria que vir de uma reação popular, dos movimentos sociais. Teria que ter um caráter efetivamente revolucionário.

Mas esse não parece ser um desfecho possível.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Web Analytics