quarta-feira, 26 de abril de 2017

Bye bye, Brazil



NÃO INTERESSA MAIS 

A DEBANDADA DOS CORRESPONDENTES ESTRANGEIROS DO BRASIL 

POR JULIA MICHAELS 
Publicado na Revista Piauí
O trajeto do ápice à derrocada do Brasil aos olhos da mídia estrangeira pode ser entendido por meio das capas que a revista inglesa The Economist publicou
Nos últimos seis anos, Simon Romero foi o correspondente do jornal The New York Times no Brasil. Nesse período, escreveu mais de 500 reportagens, muitas com informações exclusivas e furos nos diversos jornais e revistas brasileiras. Caso da cobertura do impeachment de Dilma Rousseff e da epidemia de Zika no nordeste. Em junho, Romero volta para os Estados Unidos, onde vai cobrir imigração com base em seu estado natal, o Novo México. Dali, ele pretende acompanhar com lupa a promessa do presidente Donald Trump de construir um muro separando o país do vizinho México. Ele será substituído pelo colombiano Ernesto Londoño, que tem experiência em países como Afeganistão, Egito e Iraque.

Ao contrário do que se passou no escritório do NYT, que apenas trocou seu jornalista de país, a maioria dos veículos de imprensa internacionais está fechando as portas ou enxugando drasticamente seu quadro de funcionários no Brasil. A revoada dos repórteres estrangeiros começou em fevereiro, quando foi extinto o escritório do serviço de broadcasting BBC no Rio de Janeiro, que empregava seis pessoas. Metade da equipe foi demitida e os demais foram transferidos para São Paulo. O Wall Street Journal, que dividia com a agência de notícias Dow Jones uma repartição no mesmo corredor de um centro comercial na praia de Botafogo, demitiu dois repórteres e manteve um, Paul Kiernan, que passou a trabalhar de casa. O WSJ, que já chegou a ter dez correspondentes no Brasil, hoje tem metade. Além do jornalista no Rio, há outros quatro em São Paulo.

O trajeto do ápice à derrocada do Brasil aos olhos da mídia estrangeira pode ser entendido por meio das capas que a revista inglesa The Economist publicou sobre o país nos últimos oito anos. Na primeira, de novembro de 2009, o Cristo Redentor fez as vezes de um foguete disparando pelos ares. O Brasil crescia 7,5% ao ano, a empregabilidade era quase total e o poder de compra dos trabalhadores estava no auge. O título da capa era O Brasil Decola. E ainda havia a promessa de grande visibilidade mundial: a Copa do Mundo e as Olimpíadas.

Quatro anos depois, em setembro de 2013, sob a chamada O Brasil implodiu?, a revista trazia o Cristo-foguete em queda livre. Naquele momento, sob o rescaldo de uma economia que havia crescido apenas 0,9% no ano anterior, as ruas explodiram com as manifestações de junho diante do agravamento das distensões políticas. E, na última, publicada em abril de 2016, a estátua segurava uma placa de SOS. Em letras garrafais, lia-se: A Traição do Brasil.

A crise político-financeira e econômica fez com que os correspondentes passassem a ter dificuldade em captar a atenção sobre o Brasil. Tornou-se complicado escapar da cantilena do país quebrado, em crise, sem perspectiva de melhora. Se por aqui o leitor comum pouco se interessa pelo assunto, o que dirá os lá de fora, para quem o Brasil derreteu – passando de uma idílica promessa de potência para apenas mais um país disfuncional em desenvolvimento. O Rio de Janeiro, em particular, sofreu  o baque com mais potência.

“As Olimpíadas eram a única razão para justificar um tratamento especial do Rio, por exemplo, escrevendo sobre tantas questões locais”, disse um correspondente americano, que preferiu não se identificar. “Agora [o Rio] é apenas mais um lugar com uma ladainha de problemas”, comentou. “É menos perigosa que Caracas, menos poluída que Jacarta, menos cheia de favelas que Bombaim, menos caótica que Lagos, menor e menos dinâmica que São Paulo, mais longe de casa que a Cidade do México. Ficou muito difícil encontrar um gancho, uma notícia que preencha os requisitos do jornal para escrever sobre a cidade”, afirmou. Em termos de boas pautas, ele disse, o Rio se tornou um celeiro vazio.

“É triste”, afirmou Jon Watts, correspondente para a América Latina do jornal inglês The Guardian, que está de malas prontas para Londres. Ele nem mesmo sabe se dará as boas-vindas a um substituto ou se sua vaga será fechada por tempo indeterminado. “Há sempre uma redução geral depois dos Jogos Olímpicos em qualquer cidade”, explicou. Segundo ele, aconteceu o mesmo em Pequim em 2008, onde viveu por quase uma década. No Rio, porém, a onda parece quebrar mais forte. “Há um país que retrocede na política e na economia e perde importância no cenário mundial”, disse ele, autor da reportagem na qual Carlos Carvalho, o maior proprietário individual de terras da Barra da Tijuca, declarou que as obras das Olimpíadas deveriam favorecer a construção de apartamentos para a elite, não para os pobres.

Simon Romero, do NYT, concorda: “O Rio está diante de um trajeto difícil por causa da forma da gestão de suas finanças públicas. O imposto que as pessoas pagam é utilizado, em grande parte, para cobrir as aposentadorias de camadas relativamente privilegiadas da sociedade, em vez de resolver problemas complicados na educação, saúde, segurança e transporte público.”

De acordo com a Associação dos Correspondentes da Imprensa Estrangeira no Brasil, dos 120 jornalistas cadastrados no Rio de Janeiro, ao menos 30 já foram embora. A entidade não tem dados nacionais.

Até quem se preparava para expandir os negócios em pouco tempo desistiu. Em 2015, a rede de TV a cabo do Qatar, Al Jazeera, anunciou que montaria um escritório na cidade. Agora, os executivos da emissora optaram por um esquema mais barato, mantendo apenas o brasileiro Rafael Pieroni, trabalhando de casa. Depois de oito anos, o experiente Gabriel Elizondo deixou o país e, eventualmente, produz pautas com a ajuda de uma equipe de freelancers nacionais.

O clima de despedida já rondava a turma dos estrangeiros no Rio desde o final de 2016. Em outubro, eles se encontraram no terraço de um prédio art déco no bairro da Urca, numa festa de despedida de um grupo grande. Dezenas de norte-americanos, ingleses, latino-americanos, europeus e até brasileiros brindavam melancólicos entre esfihas, hummus e vinho. O encontro ganhou nome: The Stayers Party, a festa dos que ficam. Poucos meses depois, a própria dona da casa, a sueca Lotten Collin, correspondente para América Latina da Sveriges Radio, estava de mudança para Bogotá.

O número de baixas importantes deve aumentar. Nas rodas de conversa dos jornalistas remanescentes, comenta-se sobre o provável fechamento do escritório da rede de TV CNN, que em 2015 transferiu sua sucursal de São Paulo para o Rio. A emissora não confirma a notícia. “O Brasil jamais irá atrair o mesmo interesse que houve com a Copa e as Olimpíadas”, diz Paul Kiernan, do WSJ no Brasil. “O país tem duas opções: piorar bastante como a Venezuela ou melhorar muito. A segunda opção é a mais provável, mas não no curto prazo.”

Mesmo diante da revoada de colegas, Jon Watts, do Guardian, vê uma flama no fim do túnel. “O êxodo deve abrir oportunidades para os jornalistas que ficam no Rio, com novas narrativas. O fim de um ciclo de reportagem pode trazer um novo.” Esperemos.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Web Analytics