terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Havia mais futuro no passado



Gabriela Souto

O Brasil hoje é um país atrasado, violento e sem perspectiva de futuro num curto ou médio espaço de tempo. Prevejo que a situação será assim por mais ou menos duas décadas, com o risco de durar muito mais tempo se nada mudar, até porque não existem lideranças políticas capazes de fazer frente ao avanço da onda avassaladora da direita entreguista que tomou conta do país, além de Lula, que já tem mais de 70 anos não poderá fazer mais muita coisa, pois está sendo caçado. Sem contar agora, com os problemas de saúde de dona Marisa.

Somente uma revolução social e popular ampla, onde as diferenças políticas entre o Lulismo e o fascismo entreguista (sim, até o nosso fascismo é uma jabuticaba), cujo maior representante é a Operação Lava Jato apoiada pela grande imprensa, sejam limadas poderá resolver o grave problema da sociedade brasileira, que é antigo e existe há muito tempo, caracterizado por um ódio de classe doentio dos mais ricos aos mais pobres. 

A democracia já não existe mais neste país faz tempo. Quem não trabalha com essa ideia está fora da realidade.

Do jeito que as coisas vão, Lula não será candidato em 2018.. Se não for preso, será asilado ou impedido de se candidatar pela Proposta de Emenda à Constituição que quer proibir que políticos que exerceram dois mandatos, consecutivos ou não, no Executivo possam se candidatar novamente. Ou seja, se a Lava Jato não prender Lula, se ele não tiver que se asilar politicamente em outro país para evitar a atuação política da justiça parcial brasileira, o Congresso Nacional golpista mudará a Constituição Federal para que ele não possa se candidatar em 2018 a Presidente da República.

Essa é a realidade que somente uma ruptura popular poderá superar. O golpe de estado entreguista, apoiado pela grande imprensa, por setores do empresariado brasileiro, por quase todo o Poder Judiciário, pela Polícia Federal e pela maior parte do Ministério Público Federal, não deixará mais nenhum candidato, não digo nem de esquerda, mas de viés nacionalista se eleger no Brasil nos próximos anos. Ou as forças entreguistas são confrontadas ou se instalarão de vez no poder, sem chance para o regime democrático, para a soberania popular.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Web Analytics